Cidades Turísticas do Rio Grande do Sul

As cidades turísticas do Rio Grande do Sul reservam muito mais do que chimarrão e bons churrascos – embora, é claro, esses elementos sejam parte da diversão. Estado composto por diferentes fluxos migratórios e diferentes culturas, suas sub-regiões abrigam experiências completamente distintas entre si, o que garante bastante variedade e diversão.

Conheça algumas das cidades turísticas do Rio Grande do Sul, e surpreenda-se com a variedade e a quantidade de experiências interessantes que podem ser obtidas no extremo sul do país:

Porto Alegre

A capital do estado, é claro, inaugura a lista de cidades turísticas do Rio Grande do Sul. Como não poderia deixar de ser, Porto Alegre reúne uma série de características distintas em uma única capital.

A cidade destaca-se pelo fervor cultural, pela excelente gastronomia e pelo clima misto de cidade grande com toques de tranquilidade, como o pôr do sol do rio Guaíba, que pode ser apreciado ao fim da tarde em sua orla, com um bom chimarrão nos dias frios.

Gramado e Canela

Gramado e Canela provavelmente sejam os destinos mais conhecidos no que diz respeito às cidades turísticas do Rio Grande do Sul. É essa dupla de cidades vizinhas que auxiliou na criação de um imaginário de estado congelante – e não é à toa.

As cidades ficam na serra gaúcha, onde o frio é mais intenso, e onde a colonização italiana e alemã influenciaram diretamente sobre a formação da identidade local. Por isso, quem vai a Gramado ou Canela encontra uma arquitetura muito distinta, hortênsias abundantes e, claro, muito vinho, chocolate, fondue e gastronomia de acabar com qualquer dieta.

Bento Gonçalves

Também na serra gaúcha, Bento Gonçalves é uma cidade tipicamente influenciada pela colonização italiana. Entre suas belezas, o maior destaque certamente é o Vale dos Vinhedos. O nome deixa bem claro o que se deve esperar do passeio: uma série de vinícolas plantadas entre os morros da serra, em um misto de empreendimentos modernos e tradicionais, que mesclam velhas casas de imigrantes e seus antigos porões com grandes vinícolas e seus deslumbrantes tanques inoxidáveis.

Entre uma parada e outra para conhecer as diferentes casas, cada produtor oferece uma degustação de seus vinhos – não raras vezes acompanhada de guloseimas produzidas no local. É um passeio imperdível para quem tem algum tempo para visitar a serra.

Santa Cruz do Sul

Na outra influência da imigração europeia do século XIX, está a imigração alemã. Entre as diversas cidades fundadas por estes europeus, destaca-se Santa Cruz do Sul – a casa da Oktoberfest no Rio Grande do Sul. Em sua entrada, Fritz e Frida recepcionam os visitantes, e a arquitetura local deixa clara a influência.

O grande momento de visitações é, sem dúvida, outubro. Nos outros momentos do ano, no entanto, a cidade é igualmente interessante. Um sotaque muito próprio e o som das “bandinhas” alemãs em todas as festas acompanham restaurantes e eventos regados a chopes e cervejas que justificam a visita.

Cambará do Sul

Cambará do Sul nem sempre é citada entre as cidades turísticas do Rio Grande do Sul, pela falta de estímulo turístico durante anos. No município, uma das paisagens mais impressionantes do Brasil se destaca: um enorme cânion forma um abismo no meio da terra, quase sempre habitado por um nevoeiro assustador.

Por isso, o local forma um dos mais interessantes pontos para eco-turismo, com trilhas, cavalgadas e diversas atividades ao ar livre.

Pelotas

Pelotas é uma das mais antigas cidades do Estado e, apesar de não ser tão explorada turisticamente, revela uma beleza fascinante. A cidade é antiga, e reúne traços muito característicos da chegada portuguesa ao país.

As ruas de paralelepípedos e a arquitetura típica portuguesa de construções próximas às calçadas mesclam-se aos tradicionais e deliciosos doces de Pelotas.

Leave a Reply